[Voltar]

Estamos Entrópicos?

Sendo uma lei (a entropia) involutiva de caráter igualativo, atinge a todos sem distinção.
Certamente muitos pretensos candidatos a entrar no caminho e sem exceção aqueles que também já pisam no caminho, tem que lutar por superar esta regência entrópica.
A vemos atuando nos pobres, nos ricos, nos lares, nos casamentos, nas instituições religiosas.
Infelizmente atua nas instituições gnósticas e seus afiliados.
E com o passar do tempo, onde vemos instituições, que os seus mentores, dirigentes e etc, não tem as devidas condições das comprovações internas, não percebem o adentramento desta regência na instituição.
Nisto fatalmente atua um agrupamento de outras leis, que junto com a legião de cada um, põe abaixo o tão valoroso esforço que outro fez o VMSamael com seu seleto discipulado.
Como colheu a entropia nas pessoas, não tem instituição que se perdure com a força que VMSamael nos difunde.
Pode e vai ficar muitas e muitas com as portas abertas, mas desprovidas do apoio da Loja Branca.
E com isso observamos, como isso se traduz aos nossos olhos e ouvidos, onde se misturou gnosis com espiritismo, ayahuasca e quantos outros mais entrópicos estados.
Pega esta lei nas instituições também, pela devida falta de intermediação do humano com o divino.
Tendo um, veja, apenas um, com o devido contato com os mundos internos, pode esta instituição receber as devidas orientações de anulação e superação desta lei na expressão da instituição gnóstica.
Agora, tendo esse um, e as pessoas que ali estão, como estão cegas (não vêem as realidades internas), condenam esse um a fogueira.
E lá se foi a oportunidade que tinha essa instituição de continuar com a força da Loja Branca.
E onde se engana a grande maioria das pessoas, repetindo (não vêem as realidades internas), e se tornam seguidores de homens.
São esses que esqueceram da parte prática do ensinamento, e não tem acesso as informações diretas.
Então aquele que na instituição tem o melhor vocabulário, uma postura de pessoa diferente, tem cargos, tem dinheiro e sei lá mais o que.
Se tornam os impositores da regência desta lei nas instituições.
Os VMs, nos ensinam e nos dão chaves para o conhecimento direto.
Porque então precisamos que outros nos diga como atuar e o pior, como devemos agir espiritualmente.
Total falta de disciplina e determinação em praticar o que recebemos dos VMs.
E ficamos feito uns tontos, brigando, por quem tem razão ou não, se um vai vencer o outro ou não, eu me vou com esse pessoal, aquele pessoal já era....
E ficou a prática do ensinamento de lado, fomos enredados pela legião e nos pegou a entropia. Lembrando, entropia é uma lei involutiva de caráter igualativo.
As provações menores, mais cedo ou mais tarde, vai chegar a cada um, e o resultado é o fracasso.
Agora, imagine aqueles que já trilhando as provações maiores, são enredados, por ilusões de poder e mando dentro de uma instituição, rodam, e quanto maior a altura, maior é a queda.
Pensamos nós que isto acontece do dia para a noite, pode que sim e pode que não.
Muitas vezes, um mandatário segue de forma inalterável a involução, e nada do que se faça, pode trazer a luz da consciência a aquela forma humana, e com isto leva junto com ele muitos seguidores de homens.
Por outro lado, tem uns que estão a praticar silenciosamente o que tem predicado dos VMs.
E quando a luz começa a brilhar nesta pessoa, (reforço) sendo um trabalho sincero, a lei protege (ofusca) aos olhos dos demais o brilho da consciência para os demais.
E para quem tem o avanço no trabalho interno, virá as informações do procedimentos de atuação.
E onde já comentamos em linhas passadas, infelizmente, uns esquecem do Ser Interno, outros são falhos na simbologia...e lamentavelmente se perdem também nas ilusões dos eus...
Estando plenamente atuante, a entropia não pega esse sincero praticante.
Virá a simbologia, virá a conversa direta com algumas de suas partes internas, virá uma orientação direta de alguma hierarquia...ou seja, o sincero não esta só.
E mesmo que tenha que ir contra muitos, sairá ileso, pois este tem acesso as orientações internas.

29/mar/2014

[Voltar]