[Voltar]

As Ilusões e os Estados de Consciência

É muito mais comum do que podemos imaginar, as ilusões que geramos e carregamos relacionados ao nosso avanço no trabalho psicológico e
portanto aos estados de consciência que manifestamos durante as 24 horas do relógio físico.

É tremendo o auto-engano no que se adormece os ditos praticante de esoterismo, em especial aos que sabem de memória os livros dos VMs.

É bonito e atraente de ver a concordância verbal no uso da palavra, nestes que discursam por ai e a grande maioria cai rendido pela eloquência no discurso.
Porém nas profundezas de sua caverna mental, esta ali rindo e se alimentando, a sua própria legião de defeitos.
E a pessoa acredita e morre por isto, crendo que é a encarnação de algo divino.

Ilusão, nada mais que uma ilusão, que reforça ainda mais o adormecimento dos vários níveis de consciência.

O sincero praticante dos ensinamentos gnósticos, sabe, entende e compreende que a legião (pensamentos, sentimentos e ações) nos mantêm (níveis de consciência, partes do Ser) aprisionados nestas artimanhas de distração.

Usando esta faca da sinceridade consigo mesmo, não se iludira com os engenhos e artimanhas que nos coloca os eus.
Não se iludirá, seguindo um ou uns que falam bonito.
Não se iludirá, seguindo um ou uns que tem uma postura e trejeitos de uma maestria. (sendo que uma maestria, passa despercebido, sem trejeitos)
Não se iludirá, querendo ter poderes para provar aos demais.
Não se iludirá, acreditando que é (adormecido como esta), uma hierarquia.
Não se iludirá, com frases de efeito.
Não se iludirá, com os achismos dos pensamentos.

Os estados corretos de consciência, se darão normalmente, e se surpreenderá o estudante que realmente é algo normal (os estados de consciência) e natural
a consciência atuando.
Com justa razão nos ensina o VM Samael, que a natureza não dá saltos.

Podemos medir facilmente que estado nos encontramos durante as 24 hora do relógio.
E para isto é necessário a prática diária da auto-observação.
Com esta chave básica, veremos a legião pulando de lado para outro, e usando os mais variados meios de distração e ilusão para adormecer o estudante.

Mas acredite, infelizmente nos dói externar isso, que são bem poucos os estudantes que estão severamente e continuamente na prática de auto-observação.
A grande maioria, achando e ou entendo que por saber de memória todos os detalhes da prática de auto-observação, são capazes de até jurar que estão
em pleno exercício de auto-observação.

E cai por terra os achismos de todos que vivem nesta ilusão.
Pois um dos primeiros reflexos desta prática é o despertar no mundos internos...

E nisto pergunto, quantos de nós pelo menos dos sonhos se recorda...
Ou seja, achamos que estamos fazendo (ilusão) e na realidade nos auto-enganamos.

Em estado de auto-observação nos damos conta concretamente dos sabores que deixa as manifestações da legião nos centros da máquina humana.

Veremos claramente, que aquela nossa firmeza em rebater uma palavra de um amigo, é o nosso orgulho ferido.
Veremos que, a ira nos diz que temos que revidar os olhares de ironia dos nossos amigos do trabalho.
Veremos que, a luxúria, nos colocará em situações ridículas para sustentar o seu alimento.
Veremos que, por eu ter 2 faculdades, como posso me submeter a um trabalho braçal.

A auto-observação é básico e fundamental para uma correta visão e expressão dos estados de consciência.

Certamente, conforme vai se dando a morte psicológica, vamos saindo destas ilusões a que estamos submetidos.

21/ago/2014

[Voltar]